Odu


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Esta página cita fontes, mas estas não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notíciaslivros e acadêmico) (Junho de 2019)
Esta página ou seção foi marcada para revisão devido a incoerências ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Considere colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

Existem dezesseis odu[1] maiores no corpo literário Odù Ifá (‘livros’).[2] Combinados, resultam num total de 256 odu, acreditando-se referirem a todas as situações, circunstâncias, ações e consequências na vida. Constituem a base do conhecimento tradicional espiritual e todos os sistemas de adivinhação iorubá.[3]

Odu é um conceito do culto de Ifá também usado no candomblé, interpretado no merindilogum, na caida de búzios.

A palavra odu vem da língua iorubá e significa destino. Cada homem (ser) possui o seu destino que se assemelha a de outros mas sempre com alguma particularidade. Para esse estudo são usadas diversas técnicas ou métodos oraculares, como por exemplo o merindilogum, o opelé-ifá, o iquim, etc.

Culto de Ifá por costume é feito por homens, chamados babalaô, diferente dos cultos realizados no Candomblé que são praticados por homens Babalorixá e mulheres Ialorixá. Quando alguém quer cuidar de seu Orixá procura um Babalorixá ou Ialorixá, mas quando é para tratar de seu equilíbrio enquanto Ser, procura um babalaô que o fará pelos caminhos de Odu.

A consulta através dos Odus pode ser interpretado pelo Oráculo de Ifá, com os Odu Meji (duplos destinos ou repetidos duas vezes) são em número de 16 e conhecidos como Odu Originais ou Principais.

No sistema Ifá, que é o sistema de adivinhação iorubá, os 16 odus são os caminhos da vida. Cada pessoa tem o seu caminho revelado por Ifá através do Odu.

O sistema geomântico usa 16 conchas, ou grãos, ou cocos, conforme a região. A forma de lançar os búzios possibilita 256 combinações ou figuras, e para cada uma delas existem versos (itãs) que são decorados pelo babalaô. O sistema, hereditário, exige longo aprendizado e provas.

Os 16 odu originais ou principais, seus nomes, representação em Ifá, ordem de chegada no Aiê (Terra) e ordem de caída para consulta ao Oráculo.

Caída de Búzios

Opom merindilogum

  1. Um búzio aberto – Ocarã
  2. Dois búzios abertos – Ejiocô
  3. Três búzios abertos – Etaogundá
  4. Quatro búzios abertos – Irossum
  5. Cinco búzios abertos – Oxê
  6. Seis búzios abertos – Obará
  7. Sete búzios abertos – Odi
  8. Oito búzios abertos – Ejionilê
  9. Nove búzios abertos – Ossá
  10. Dez búzios abertos – Ofum
  11. Onze búzios abertos – Ouarim
  12. Doze búzios abertos – Ejilaxeborá
  13. Treze búzios abertos – Ejilobom
  14. Quatorze búzios abertos – Icá
  15. Quinze búzios abertos – Obeogundá
  16. Dezesseis búzios abertos – Ejibê

Referências

  1.  IGBO-IFÁ:Encontro com os 16 Odú Os segredos do Sagrado Oráculo de Ifá revelados, pag.178.
  2.  Encyclopedia of Black Studies, por Molefi Kete Asante, Ama Mazama, pag. 388
  3.  periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/download/6014/7899/ Cosmologia e geomancia: um estudo da cultura Yorubá-Nágô Klaas A. A. W . Woortmann pdf

Ligações externas

Por journey

system analyst lawyer journalist ambientalist

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: