A PALAVRA DE JESUS: LEVANTA-TE E ANDA


Jesus cura o paralítico – Mosaico do Centro Aletti em Vicenza

Nos caminhos por onde andamos e onde nos fixamos encontramos pessoas feridas, derrotadas, pessoas dominadas pelas drogas, jogadas no abandono, na miséria, esquecidas pelos familiares, e sentimos compaixão. Vem-nos logo o desejo de ajudá-las e nos perguntamos: que palavra proferir, que gesto fazer para manifestar solidariedade? Como demonstrar nosso afeto?

Como cristãos, o caminho é contemplarmos a vida de Jesus, e recordamos que ele sempre encontrava a palavra, o gesto, o sinal para libertar a pessoa e fazer a vida brotar. E, ao lembrar Maria nas Bodas de Caná, escutamos: “façam tudo o que ele disser”. É o nosso caminho.

Há uma palavra que Jesus usou diversas vezes e, mais tarde, também os apóstolos em sua missão: “levantar-se”. Posso dizer ao ferido meu desejo de ajudá-lo e até oferecer-lhe a mão, mas, ele é que deve se levantar.

A ordem “levanta-te” foi dirigida ao homem de mão seca (Lc 6,6-11), ao filho da viúva de Naim (Lc 7,11-17), ao leproso que retornou (Lc 17, 11-19), ao cego Bartimeu (Mc 10,46-52) e em outras ocasiões. O fruto era seguro: quando a pessoa se levanta, recebe o dom da cura.

Jesus não age sozinho: desperta a pessoa a assumir sua vida, andar com as próprias pernas. Jesus não carrega ninguém, pois o andar pertence à pessoa. Podemos ser um cajado, isso sim, para o outro andar, mas não substituir-lhe as pernas.

É difícil levantar-se quando as derrotas se acumularam em nossa história pessoal e quase não temos forças para um gesto assim.

E, ainda, não basta levantar-se: é necessário também andar. O homem ferido pode até achar que não o amamos, que somos duros nos sentimentos, não entendemos sua dor, mas, esse é o caminho ensinado por Jesus – levantar-se e andar, e nós queremos amar a pessoa derrotada, não ser amados por ela.

Levantar-se, palavra do Ressuscitado

Após a ressurreição do Senhor e a vinda do Espírito Santo, os apóstolos foram iluminados em sua ação. Pedro e João se dirigiam ao Templo e um homem que não andava se aproximou, pedindo esmola. Pedro repete o Mestre e lhe diz: Ouro e prata não tenho, mas o que tenho eu te dou: em nome de Jesus Cristo, levanta-te e anda! (At 3, 1-10). Fizeram o que Jesus fazia. Sua riqueza era o exemplo de Jesus.

Quando nos aproximamos da ovelha ferida, ter a palavra que a desperta, a palavra que Paulo usou após chamar-nos a ser filhos da luz: “Levanta-te, tu que estás dormindo, e Cristo te iluminará” (Ef 5, 14).

Pedro e Paulo também receberam a ordem de se levantarem. Paulo a caminho de Damasco era um homem seguro, cheio de certezas, mas caiu e também recebeu a ordem: Levanta-te! A Ananias, indicado para introduzi-lo na fé, a mesma ordem: Levanta-te! (At 9, 6.11). Ao paralítico, em Lida, a ordem de PedroEnéias, levanta-te, arruma tu mesmo a tua cama” e, em Jope, fala à discípula Tabita, que tinha morrido: Tabita, levanta-te! (At 9, 34.40).

O primeiro milagre é realizado por nós: levantar-me e tomar a cruz, palavra de Jesus para nos introduzir no discipulado. Depois, podemos segui-lo (Mt 16, 24).

Eu posso ordenar ao homem sofrido que se levante porque eu mesmo tenho de tomar essa decisão em minha vida. Cada um de nós, em algum momento da existência, é um cego à beira do caminho. Minha cura depende de minha decisão, e a cura do homem ferido, da decisão dele. E, depois, vem a oferta do cajado fraterno.

A mesma palavra deve ser usada pela Igreja, se quiser imitar o Senhor. A Igreja não é para resolver situações através de dinheiro. Tem como vocação permitir que a pessoa se erga, permitir que tudo o que há nela possa desabrochar.

A missão da Igreja é convidar cada pessoa: levanta-te e anda. A Igreja cria espaços e situações de oferecimento de vida, de liberdade. Ajuda o ferido que decidiu levantar-se, mas, não se ensina alguém a viver um caminho se não se vive o caminho. Somente uma Igreja pobre é capaz de encontrar o pobre. Ela não tem ouro nem prata, porque está decidida a ter liberdade.

A Igreja tem que estar atenta pois, se cai na tentação da busca de bens e riquezas, é-lhe tirada a liberdade e fica aprisionada em muitas dependências. E, o pior, ela não pode dizer a mesma palavra que Jesus disse, o que é essencial para a fidelidade à missão: Ouro e prata não tenho!, porque uma Igreja rica tem, sim, ouro e prata cujo peso deixa-a prostrada pelo caminho. Então, sua conversão será escutar, ela também, do pobre, do ferido, que dela se compadece e diz-lhe, como Pedro: “Igreja, ouro e prata não tenho, mas o que tenho te dou: em nome de Jesus Cristo, levanta-te e anda”. O Papa Francisco nos tem repetido isso com insistência: estarmos com o pobre para ter o cheiro do pobre, aceitar o desafio que nos apresenta de não ter as seguranças no ouro e na prata.

Nós temos a graça de oferecer ao sofrido da história a palavra “levanta-te” e temos também a graça de escutar o pobre a oferecer-nos essa palavra “levanta-te”, porque a vida é eterno peregrinar e todos somos mendicantes da liberdade.

Pe. José Artulino Besen
a partir de reflexão de Ir. Henrique da Trindade

Por journey

system analyst lawyer journalist ambientalist

Deixar um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: