O TEMPO É A VIDA


  • MYRNA COELHO
  • FOTOGRAFIA: UNSPLASH

Tenho ouvido muito as pessoas se queixarem do tempo. Dizem que o tempo passa rápido, ou devagar demais, que o tempo de ser feliz já passou ou não chega nunca. É comum dizerem que “estão perdendo tempo” e que isso não pode ocorrer, seja porque “tempo é dinheiro”  ou seja porque uma hora a grande ficha cairá com a percepção de que se “era feliz e não sabia”. Estão “correndo contra o tempo” ou “aproveitando o tempo que ainda têm”.

Isso em nada diz do tempo, mas da relação que estabelecemos com ele. São frases prontas para produzir angústia, ansiedade, culpa e tristeza. Como se pudéssemos e devêssemos controlar o tempo.

Nessas relações equivocadas com o tempo, a gente o chama para uma competição. Nem preciso contar pra vocês quem perde com isso… O tempo, senhor do universo – na mitologia grega, Cronos era o líder dos titãs – não perde nunca.

ASSINE A VIDA SIMPLES

E aí mais armadilhas à vista. A tristeza pelo que já passou nos conecta com o tempo do passado. A ansiedade pelo que está por vir nos conecta com o tempo do futuro. Ambas as situações nos tiram da única conexão real com o tempo, a única que ele respeita: a presença.

Só no presente posso me relacionar com o tempo sem precisar correr ou lamentar. Fluindo com o tempo, aproveito as possibilidades que a vida me apresenta agora. De modo gentil e leve, posso aprender as lições que preciso sem culpa ou dor. Fluir no tempo, aceitar sua enormidade e minha submissão nessa relação, abre espaço para a autonomia real (não aquela fantasia de controle).

Isso é muito claro quando olhamos para as crianças, e para o não-lugar que o mundo de hoje oferece para a infância. As crianças sabem que o tempo está aí para que possamos dançar com ele. E dança implica movimento com tônus, intensão e equilíbrio, abertura, desejo e presença, e elas são absolutamente presentificadas.

ASSINE A VIDA SIMPLES

As crianças se encontram no tempo consigo mesmas a partir dos jogos e das brincadeiras, mas também a partir do maravilhoso “não fazer nada” (que virou “ócio criativo” para ser admitido na vida adulta-capital).

Mas os adultos são cruéis na demolição do projeto educacional, e propõem que as crianças sejam o que elas ainda não são. Solicitam que elas dêem o que ainda não têm para dar, como fundamento do que seria uma boa educação para o sucesso. Educação, essa, que supostamente lida bem com o tempo, que o “aproveita”.

E assim aprendemos a atravessar nossa conexão com o tempo da vida, o tempo para nascer e para morrer, para contemplar, plantar e colher. E não o tempo dos “agrotóxicos”, que oferece tudo a qualquer momento, fora das estações do ano, que não implica espera e que não abre espaço pra gente se conectar com o que temos de mais sagrado: nosso silêncio.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Que possamos fazer as pazes com o tempo, porque disso depende uma relação mais harmônica com nossos parceiros de mundo.

Myrna Coelho é psicóloga clínica, professora e doutora pela USP. Decidiu recomeçar a vida do outro lado do oceano, onde segue atendendo seus pacientes e dando supervisão online. Por aqui, semanalmente, reflete sobre como podemos viver com mais liberdade de ser. Mande sua mensagem para: myrnacoelho@usp.br.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s