TRANSTORNOS MENTAIS E FALTA DE EMPATIA


Vários distúrbios mentais do mundo real estão associados a uma falta de empatia. Vamos conhece-los? Mas antes uma breve explicação sobre o que é empatia.

“Empatia” é descrita como a capacidade de compreender os sinais que outros seres sencientes (principalmente os seres humanos, mas pode incluir os animais também) usam para comunicar emoções e serem capazes de entende-las a partir de sua perspectiva, o que permite que uma pessoa a experimentar simpatia e compaixão. Pense em todas o amontoado de emoções que usamos para identificar e/ou exibir na emoções; (principalmente) as coisas universais que fazem sentido mesmo se você está assistindo a um filme estrangeiro, sem legendas, por exemplo. Alguém que não tem empatia vive em um mundo completamente desprovido desses sinais. Assim, essa pessoa é um peixe fora d’água sempre que esta ao  entorno de pessoas … que, é claro, na maior parte do tempo. Eles também podem parecer algo como um “Jerkass” (o artigo original veio do TvTropes.org; Jerkass é um tipo personagem que é tão detestável que é inacreditável alguém estaria disposto a interagir com eles) que aparenta pensar que “É tudo sobre ele”.

Existem dois principais tipos diferentes de empatia: Empatia Cognitiva e Empatia Afetiva.

FALTA DE EMPATIA COGNITIVA

Empatia cognitiva é a capacidade de reconhecer e entender o estado emocional dos outros.

Pessoas que não têm empatia cognitiva não serão capazes de ler as emoções que os outros estão sentindo e/ou depois de saber como eles estão se sentindo, terão dificuldade em entender por que eles estão se sentindo assim, não são capaz de colocar-se em seus lugar. Mas uma vez que eles entendem, eles são capazes de ter empatia emocional com eles.

Transtorno do Espectro Autista de Alto Funcionamento (Aka Sindrome de Asperger)

Aqueles com TEA-AF e outros transtornos do espectro do autismo têm dificuldade em reconhecer conscientemente linguagem não-verbal, mas geralmente têm normal – as vezes muita- empatia emocional com aqueles cujas emoções eles podem discernir. Em outras palavras, geralmente quando eles descobrem o que os outros estão sentindo, eles compartilham as emoções alheias facilmente, se não mais fácil, que a média; particularmente, sentindo a dor do outro. Outro problema é que, mesmo quando eles compartilham em emoções dos outros, eles ainda não têm certeza sobre como eles deveriam reagir e tem problemas em chegar a uma resposta adequada. Eles geralmente têm emoções mais intensas do que as outras pessoas, embora não com a mesma intensidade de personalidades como a Borderline (Limítrofe).

Transtorno de Personalidade Borderline ou Limítrofe
Pessoas com transtorno de personalidade borderline têm emoções muito intensas, eles as sentem mais facilmente e profundamente do que outras pessoas. Esta intensidade pode obscurecer sua percepção e fazendo-os confundir as emoções, pensamentos e intenções dos outros. Mesmo que as pessoas com este transtorno sejam muito boas em reconhecer as expressões emocionais de outras pessoas, sua percepção delas pode ser mais extrema do que realmente é, e muitas vezes tendem levar estas emoções “pessoalmente”, pensando que são dirigidas a eles e podem se sentir tão oprimidas por seus próprios sentimentos que elas não conseguem dar uma resposta emocional apropriada.

Transtorno Bipolar
O transtorno bipolar é um transtorno de humor em que as pessoas têm oscilações de humor, mas ao contrário com o que se pensa popularmente, eles alteram entre”normal”, mania e depressão, com cada modo durando por longos períodos, geralmente semanas ou meses. Semelhante ao TPB descrito acima, eles identificam emoções bem, mas o seu estado emocional pode leva-los a interpretar mal os estados mentais dos outros e por vezes, sua resposta emocional é exagerada e expressa em uma reação exagerada e disfuncional também chamado de “hiper-empatia”.

FALTA DE EMPATIA EMOCIONAL

Empatia emocional é a capacidade de compartilhar as experiências emocionais dos outros, sendo afetados por elas e ser capaz de responder com uma emoção apropriada. Pessoas que não possuem empatia emocional podem inferir e entender o que os outros estão sentindo; eles podem até mesmo saber o que aquela emoção deveria causar neles como resposta, mas eles simplesmente não a sentem, o que os torna incapazes de se relacionarem normalmalmente  com outras pessoas, embora dependendo do transtorno eles serão capazes de imitar e fingir empatia.

Transtorno da Personalidade Antissocial

Claro, temos que mencionar transtorno de personalidade antissocial, mais popularmente conhecido como psicopatia ou sociopatia. Em geral, os sociopatas experimentam o mundo tão diferente, que é incompreensível por aqueles com alguma compreensão da empatia. Eles sentem raiva, porem tende a ser de curta duração, muitas vezes durando apenas alguns segundos, embora sua raiva seja muita vezes explosiva e descontrolada. Eles são muito egocêntricos e cruéis, eles não se importam com as conseqüências de suas ações, e eles tendem a não sentir culpa ou remorso. Eles podem ser, no entanto, muito, muito bons em ler as emoções das outras pessoas e imitá-las; o que lhes permite serem altamente sociáveis, e algumas pessoas vivem normalmente sem nunca serem diagnosticadas com TPAS durante anos e, por extensão, toda a sua vida, aparentando ser um membro obediente à lei e saudável a sociedade, simplesmente imitando o comportamento de obediência à lei dos que os rodeiam (apesar de não entender por que este é o padrão socialmente aceita). TPAS não significa necessariamente que o doente tem alta inteligência, mas esta hipótese foi provavelmente adquirida devido a suas habilidades de manipulação. É considerado quase intratável por aqueles da profissão psiquiátrica, já que muitos deles veem o seu médico como apenas mais uma pessoa para ser manipulada; em muitos casos, as tentativas de tratamento podem torná-los ainda melhor em manipular pessoas e mais propensos a cometer crimes. Sociopatas têm um grau de sobreposição com narcisistas e semelhantes, a diferença é que o sociopata não irão levar pessoalmente se você humilhá-lo e expulsá-lo. A única razão pela qual ele vai ficar na vida de alguém é porque essa pessoa é crédula (ou ele classifica essa pessoa como crédula) e não há necessidade de reinventar a roda para continuar sugando-as. Por exemplo, enquanto os narcisistas costumam se ver acima das outras pessoas, quando em dúvida, eles querem esses “outros inferiores” para cuidar de suas necessidades e desejos. Sociopatas simplesmente tomam o que eles precisam ou querem. Os narcisistas ainda estão vinculados por fraquezas emocionais, morais e de consciência, como o amor ou culpa, e quando encurralado, são muito mais fácil de serem punidos. Sociopatas podem menosprezar tão facilmente as fraquezas envolvidas, e a punição simples não costuma surtir efeito com eles.

  • Psicopatia e sociopatia

Como você sabe eu disse que TPAS, psicopatia e sociopatia eram a mesma coisa; Isso é meio único e verdadeiro, a partir de um certo ponto de vista. Tecnicamente, sociopatas, psicopatas e pessoas com TPAS são tidos ​​como a mesma coisa. Não oficialmente há uma distinção, ainda que muito borrada e não  inteiramente consistente. Psicopatia não é um diagnóstico que pode encontrado no DSM , o qual a reconhece como TPAS. No entanto, é um conceito importante na psicologia forense como um meio de avaliação dos riscos, e é usado para informar as decisões legais em matéria de condenação ou de liberdade condicional em audiências de infratores criminais. Bem como “insanidade”, “psicopatia” tem conotações mais legais do que os clínicos. TPAS é a resposta do DSM para a psicopatia e foi criado devido a preocupação de que os critérios de diagnóstico da personalidade psicopática eram muito subjetivos. Já que características de personalidade não pode ser avaliado de forma objetiva, os critérios do diagnóstico de TPAS desconsidera a maioria deles e baseia-se predominantemente na presença de um padrão consistente, duradouro de comportamento anti-social. Como o comportamento anti-social crônica não é exclusivo de uma única disposição, isto significa que o diagnóstico de TPAS abrange uma população significativamente maior do que a de uma personalidade psicopática – a maioria dos psicopatas se ajustam aos critérios de TPAS, mas a maioria das pessoas com TPAS não seriam considerados psicopatas acordo ao PLC-R (Lista revisada para a checagem de psicopatia). A diferença entre psicopatia e sociopatia é origem. O termo foi introduzido em 1909, refletindo a nova sugestão de que a psicopatia foi em grande parte um produto de fatores sociais. Ele finalmente chegou a ser usado para descrever os psicopatas “secundários” – pessoas que compartilharam muitas características com psicopatas “primários”, mas foram um produto de desajuste social grave e foram capazes de experimentar emoções como depressão ou medo. No entanto, não existe um diagnóstico oficial de sociopatia/psicopatia-secundária, e sua distinção de psicopatia é mais uma questão de preferência do que fato.

Por favor, note que não parece haver muito pouco concesso sobre qual é a diferença entre um sociopata e um psicopata. Não se surpreenda se você tiver uma definição que contradiz o que foi dito aqui. (E, em seguida, outra coisa que contradiz essa definição, etc ) 

  • Serial Killers

A falta de empatia não é incomum em assassinos em série, os quais são comumente diagnosticados com TPAS. Dito isto, o sofredor médio de TPAS é mais do que provável que seja um pequeno criminoso, ou simplesmente um descumpridor da lei insuportávelAlém disso, é importante notar que a falta de empatia não o torna um assassino em série, ou mesmo um insuportáveleles simplesmente tornar a pessoa mais perceptível com antecedência, se eles deveriam faz ou agir de alguma forma. Ele faz com que seja mais provável que a pessoa em questão vai fazer alguma coisa ou dizer extremamente insensível (em outras palavras, agir como um “Jerkass”), mas isso não é automático; é apenas uma consequência de não considerar os sentimentos dos outros. Apesar do tratamento do sistema de justiça criminal do assassinato premeditado em favor de crimes passionais, é importante notar que todas as pessoas sem emoções não são seriais killers (eles poderiam serem de fato mais provavelmente esquizoides (veja abaixo), que de fato são, na maior parte inofensivos, e estão mais em perigo de estarem sozinhos toda a sua vida do que fazerem uma farra de assassinatos). A pessoa média evita o tipo de barba por fazer, mas um assassino em série é realmente mais provável que seja bonito, charmoso, e aparentemente normal.

Transtorno de Personalidade Esquizoide

Falta de empatia é um dos critérios de diagnóstico do transtorno de personalidade narcisista. Narcisistas têm esta imagem ideal de si próprios, onde eles são incríveis, perfeitos, e o centro do mundo. Para manter esta auto-imagem grandiosa, eles precisam de reforço de outras pessoas, para que eles buscam o seu louvor e admiração, porem eles estão muito ocupados consigo mesmos, eles simplesmente não se importam com pensamentos e sentimentos dos  outros que dos possam vir a entrar em conflito com o seus próprios. Narcisistas podem identificar as emoções das pessoas e usar essas informações para manipulá-los a conseguir o que querem e precisam, muitas vezes considerando outras pessoas como meras ferramentas, insensivelmente ignoraram se eles estão prejudicando-os no processo. Em suma, eles precisam de pessoas, mas não se preocupam com elas.

Transtorno da Personalidade histriônica

Aqueles com transtorno de personalidade histriônica pode ser sem empatia, decorrente de serem tão centrada em um grupo de pessoas que perdem de vista os indivíduos que compõem esse grupo. Ao contrário do sociopata, eles são mais abrangente em grupos sociais,  vão passando para outras pessoas, sem ter levar conta o efeito que isso tem, se eles não encontram estímulo suficiente lá. Eles também podem expressar empatia ou afeição, mas o real nível de conexão emocional, muitas vezes termina na superfície. Alguém com TPH pode imitar, ou até mesmo exagerar, uma resposta emocional apropriado, mas sua natureza egoísta muitas vezes impede uma verdadeira ligação com os outros.

Chegamos, caro amigo esquizoide  que leu ate aqui e resistiu pressionar Ctrl + F e digitar “esquizoide”  

Transtorno de Personalidade Esquizoide

Pessoas com transtorno de personalidade esquizoide também pode não ter empatia. Pessoas com o transtorno têm afeto plano (embotado), o que significa que eles não sentem muita coisa. Eles podem ir desde praticamente sem emoção ate experimentar emoções muito rasas que tendem a desaparecer rapidamente. Esquizoides são perfeitamente capazes de ler outras pessoas (se incomodados) e até mesmo capazes de compreender a sua perspectiva de uma forma racional, mas é difícil para eles sentirem o que os outros sentem uma vez que eles não têm muita sentimentos, para começar. Isto os os torna extremamente separados da outras pessoas, incluindo a família. Somando a isto, eles também têm uma aversão e/ou incapacidade de expressar os sentimentos que eles têm, por isso, mesmo quando eles se importam, eles ainda vão aparecer frio e indiferente. Mesmo nos casos em que um paciente esquizoide pode ser perfeitamente capaz de sentir emoções, eles são muitas vezes incapazes de colocar para “fora” que emoção(s) estão sentindo em um momento particular, e ser capaz de colocar em palavras (um sintoma conhecido clinicamente como alexitimia)  ou seja não sabem expressar o que são sentindo, seja ela verbalmente ou não-verbalmente. É importante notar que, mesmo que esquizoides não tenham muitas emoções e não se preocupem com os outros, eles não são perigosos e podem ter um forte código moral. Infelizmente, quietos, solitários ariscos e as pessoas associais em geral são muitas vezes vistos com desconfiança e acusados de serem psicopatas ou bombas-relógio prontas para explodir quando na realidade esquizoides  (que são a versão mais extrema dos solitários) são muito sangue-frio e também possuem uma falta de motivação, de modo que desviar seu caminho para prejudicar os outros seria visto como obra desnecessária que não iria recompensá-los de alguma forma. Na verdade, eles se preocupam tão pouco sobre tudo, incluindo eles mesmos, que eles são mais propensos a ser vítima de um predador. Também é importante não é confundir esquizoide com esquizofrenia, devido a pronuncia semelhante. Mesmo que TPE seja considerado no espectro da esquizofrenia porque partilham algumas das características mencionadas acima, esquizoides não sofrem de alucinações, delírios, e similares (Veja abaixo).

Esquizofrenia

A esquizofrenia é um transtorno mental grave em que as pessoas têm dificuldade em distinguir entre o que é real e o que não é. Obviamente, todo mundo associa esse transtorno com os sintomas mais populares como, alucinações, ouvir vozes, delírios, paranoia, e pensamento e discurso desorganizados. Menos conhecido, porém, são os sintomas emocionais, como expressão plana e a falta de emoções, motivação, interesse em relacionamentos, e empatia. Assim com nos esquizoides (todo esquizofrênico é esquizoide, porem o inverso não é valido), essas características os torna incapazes de se relacionarem, mas ao contrário do TPE, é ainda mais difícil pelo fato de que eles também não têm empatia cognitiva, tendo deficiências severas em tarefas cognitivas sociais. E, a propósito, a esquizofrenia não é a mesma coisa que o que é popularmente conhecida como Transtorno de Personalidade Múltipla (agora chamado de Transtorno Dissociativo de Identidade). Esquizofrênicos não têm diferentes identidades ou personalidades dentro de si mesmos, eles “só” ouvem e veem coisas que não estão lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s